Blog

6 Dicas para comunicar de forma eficaz, mesmo quando estamos nervosos

Junior Achievement Portugal

Comunicar de uma forma eficaz é provavelmente um dos pontos mais importantes nas relações e nos negócios: em muitas das nossas interações, o que faz a diferença é “como” comunicamos e menos o “que” comunicamos.

A base de uma comunicação eficaz e produtiva está no equilíbrio dos egos e temperamentos, no respeito, controlo emocional, conhecimento, carisma, coragem para mostrar o nosso ponto de vista e na capacidade de o levar em frente.

1. Uma visão clara

É preciso ter confiança para partilhar uma ideia no nosso ambiente e trabalho. Especialmente se o objetivo dessa partilha é de influenciar/impressionar a visão de colegas – juniores ou seniores. Mas para ter confiança num contacto com chefes, executivos ou potenciais clientes é necessário ter uma visão clara do que estamos a comunicar. Quanto mais clara for a nossa visão do tema, melhor será a disseminação do mesmo.

Quando comunicamos, nunca devemos preocupar-nos se estamos a “sair da linha”. Devemos partir do prossuposto que tudo o que pode acontecer é o nosso ponto de vista ser considerado e rejeitado. Ao ganharmos a coragem para comunicar, ganhamos sempre a confiança de dar o passo em frente, em contribuir. Se acreditamos que as nossas ideias podem contribuir de uma forma significativa, devemos dar-lhes vida – valem sempre o esforço.

2. Preparação

A preparação é um dos pontos mais importantes quando queremos expressar as nossas ideias ou opiniões. Ir diretamente ao assunto, ser claro e eloquente no discurso, dá-nos força e à vontade, especialmente quando comunicamos com quadros superiores.

Pesquisas, evidências, provas, são muito importantes para validar as ideias/opiniões. Informação complementar relevante dá-nos a confiança extra para o challenge que temos em frente.

3. Mantenham-se firmes

Ir preparado para manter as suas ideias sempre que necessário. Pode ser intimidador defender uma proposta com opiniões contrárias do outro lado da mesa, principalmente quando falamos com os nossos superiores hierárquicos. Lembrem-se que a maioria das ideias, que valem a pena partilhar, são aquelas que podem estar mais próximas de serem controversas.

Independentemente do momento em que partilhamos algo novo, esperem sempre alguns desafios e barreiras – preparem-se, evoquem pesquisas, evidências que sustentem a ideia. Mostrar convicção sem uma postura defensiva ou agressiva - ambas são sinónimas de falta de confiança e fragilidade nas mais-valias que a ideia aporta para a resolução do problema. Quando forem confrontados com opiniões divergentes, reconheçam a validade da opinião do vosso colega e respondam cordialmente, demostrando razões validas para ter uma outra perspetiva.

4. Brainstorming

Os mais experientes dão valor a inputs estruturados dos seus colaboradores. Prosperam em ideias que provoquem um diálogo inovador. Tipicamente, gostam de ser desafiados a compartilhar e discutir pontos de vista diferentes.

Quando estamos recetivos a dialogar, construímos soluções em conjunto. Em todas as circunstâncias, é melhor estar envolvido no jogo. Quanto mais cooperativos e abertos a complementos na nossa ideia, mais interessantes nos tornamos para aqueles que estão acima ou abaixo da nossa posição. É uma demonstração de carácter, flexibilidade para encontrar soluções válidas para um bem comum.

Manterem-se acessíveis, mas constantes, ter capacidade de levar os outros a questionar e refletir, dá-nos mais seriedade à mesa.

5. Respeito

A nossa atitude, abordagem, energia não-verbal e tom de voz são chave em qualquer conversa. O respeito pelas nossas ideias estará patente no nosso discurso - através da confiança e preparação, mas também pela acessibilidade e respeito pelas opiniões contrárias dos decisores.

Não adiem, mostrem respeito e partilhem apenas as vossas melhores ideias. Lembrem-se também de todos estes pontos quando estiverem no lado da decisão.

6. Sejam Genuínos

É preciso uma coragem extraordinária para estarmos confiantes em nós quando partilhamos uma ideia nova, principalmente quando esse não é o foco que normalmente nos está apontado, por uma questão de personalidade ou por uma questão de cultura da equipa/empresa. Como quando olhamos à volta para os nossos pares, podemos sentir que há uma forma normal de nos vestirmos, falarmos, olharmos e agirmos que podem ser importantes para manter o status quo. Agora tenham em mente: grandes mudanças não obedecem a um status quo.

Com isto não queremos dizer que é necessário mudar ou resistir à cultura corporativa da empresa para nos tornarmos bons comunicadores, ou comunicadores com mais poderes, mas sim resistir ao controlo e às inquietações que não nos fazem avançar. Podemos e devemos, caminhar na linha definida, tendo a coragem de afirmar as nossas ideias, para o seu crescimento.

A autenticidade é uma característica contagiosa no mundo das startups que gostamos de promover. Ser genuíno, independentemente da cultura da empresa, é sinónimo de partilha e proliferação de ideias e de contributos diferentes. Estejam dispostos a arriscar, dêem espaço à vossa coragem, criatividade e rigor.

A timidez, a insegurança e o incerto serão sempre pedras no sapato desconfortáveis, que teremos de ter a capacidade de ignorar. Superadas, as ideias serão ouvidas, respeitadas e por fim, utilizadas.

Category : Dicas Junior Achievement Posted : 3 March 2016 20:09 UTC
About the Author
Junior Achievement Portugal

A Junior Achievement Portugal é uma organização sem fins lucrativos, criada em Setembro de 2005. É a congénere portuguesa da Junior Achievement, a maior e mais antiga organização mundial de educação para o empreendedorismo.

Add comment

Post a comment

Security code Refresh

Subscribe to our blog