Histórias

Afinal o que é ser um empreendedor? - Filipe Mugeiro

 

Pois bem, ainda eu, ainda nós, o grupo do Colégio que respondeu sim à chamada, estávamos a digerir tudo isto quando chega o desafio para integrar o Braço Direito. E o que é o Braço Direito? Nada mais nada menos, que a possibilidade de acompanhar um profissional cujo exemplo de dia a dia num contexto empresarial contribua para que jovens em idade de se lançarem à vida aprendam o que é verdadeiramente o mercado de trabalho e quais as opções de desenvolvimento académico a tomar numa fase em que a indecisão nem sempre ajuda a fazer a escolha mais correta. Uma inspiração, isso mesmo, o Braço Direito é uma inspiração que pode mudar a vida de uma pessoa. Eu explico. Andava eu em Humanidades, convencido de todo, que Direito, Jornalismo ou Psicologia, uma destas três opções, seriam seguramente o meu futuro. E foi nesta convicção que rumei à Accenture para, com o Manuel Hall, ao longo de um dia perceber o que faz um consultor, com formação em Engenharia, gerir projetos de impacto ambiental, social e económico. Meu Deus, o que eu desconhecia. E como, nesse dia, ao adormecer, a minha cabeça e o meu coração foram invadidos por todo um turbilhão de ideias e de sentimentos que punham em causa tantas das minhas convicções até então comigo próprio e com a família defendidas.

E foi nesse dia que a JAP encetou em mim o grande princípio da metamorfose, também porque o que é bom e nos causa boa marca corre o risco de nos despertar a curiosidade para mais e melhores concretizações.

Contactos formais, contactos informais, troca de impressões com amigos e outras pessoas envolvidas na JAP, Innovation Challenge , ou o programa A Empresa, não sei de tudo isto o que é que me provocou o verdadeiro clique e uma reviravolta completa nas minhas ditas convicções. O certo é mesmo que, não pondo em causa os princípios que anteriormente me tinham levado à opção das Humanidades, com as quais eu aprendi a crescer, eu senti que poderia crescer mais ainda ao fazer uma mudança para a área de Gestão. 12ºAno completo a que acrescentei um ano de Matemática e, eu diria que sobretudo muita aprendizagem em processos de empreendedorismo, foram um percurso veloz mas cauteloso e sobretudo muito assumido para agarrar na Universidade Católica de Lisboa a Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais. Podem perguntar-me, então e a JAP? A Junior Achievement, os conceitos, os princípios, os valores que dela bebi fazem hoje parte do meu dia a dia. Até porque em diversos outros projetos a que dedico o meu tempo não letivo, ou não familiar, eu aplico todas as bases do empreendedorismo que com a JAP aprendi a cultivar.

Em jeito de conclusão, partilho aqui o quanto sinto que na vida temos sorte em ser conduzidos para as melhores opções a tomar. Agradeço à Junior Achievement ter-me desafiado a usar os meus tempos livres a levar a exercício aquilo que aprendi nos meus primeiros 18 anos de vida. Ou seja, somos tão mais importantes quanto mais os outros forem importantes para nós. Seja a estudar, seja em férias, seja com a família, seja com os amigos ou com tantos outros que, com o nosso apoio e envolvimento podem ter na vida aquilo que nunca tinham imaginado.

Muito obrigado Junior Achievement!!!

We use cookies to ensure you get the best experience on our website. Find out more here.

I accept cookies from this site